AnaMaria
Busca
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaYoutube AnaMariaTiktok AnaMariaSpotify AnaMaria

Volta às aulas: sabia que nariz e ouvidos limpos podem salvar sua criança?

Entenda como cuidar do nariz e do ouvido da sua criança pode salvar a saúde da sua criança

*Dra. Maura Neves, colunista de AnaMaria Digital Publicado em 07/02/2023, às 08h20

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Cuide do nariz e dos ouvidos da sua criança; entenda importância - Hanna Tasker/Unsplash
Cuide do nariz e dos ouvidos da sua criança; entenda importância - Hanna Tasker/Unsplash

Olá a todos! Com a volta às aulas escolhi falar um pouco sobre o dois pontos importantes e que não podem faltar: nariz e ouvido limpos! Espera, como assim? É isso mesmo! Uma das principais preocupações com as crianças de volta à escola são as infecções respiratórias. O contato com outras crianças na escola aumenta a chance de transmissão de doenças respiratórias.

Isso inclui desde resfriados com coriza e tosses até quadros infecciosos mais importantes, que necessitam de antibiótico, como sinusites e otites. Estes quadros virais ocorrem com maior frequência nas crianças entre dois a quatro anos (com uma média de impressionantes oito episódios ao ano) por conta de amadurecimento incompleto do sistema imunológico.

E como prevenir? Atualmente, a principal estratégia é a lavagem nasal com soro fisiológico, com ação comprovada em reduzir a duração e intensidade dos sintomas gripais. Para isso, a sugestão é lavar o nariz ao menos duas vezes ao dia. Outras ações importantes, também já incluídas no nosso dia a dia, são lavar as mãos ou usar de álcool em gel, que ajudam nessa prevenção.

MAS E O OUVIDO?

Algo que tanto professores quanto pais devem se atentar é para o desenvolvimento da linguagem e da fala da criança. Lembrando que linguagem é nosso sistema de comunicação que permite o entendimento e do significado do que é expresso pela fala.

As alterações de linguagem podem ser na forma (fonológicas, morfológicas ou sintaxe), dificuldades com conteúdo (semântica) e com a função da linguagem na Comunicação (pragmática). Já na fala a dificuldade ocorre na formação de palavras ou sons específicos, na fluência e na capacidade de comunicação com outros. E estas dificuldades podem ocorrer simultaneamente.

Crianças em idade escolar que apresentam tais dificuldades estão em riso aumentado de atrasos ou dificuldades de aprendizagem e alfabetização, o que inclui ler e escrever. Além disso, o atraso na linguagem/ fala tem mais chance de causar alterações comportamentais e de ajuste psicossocial, que podem persistir até a idade adulta.

Um estudo americano mostrou que cerca de 6% das crianças com idade entre 2 e 5 anos tem alguma alteração de linguagem e fala, isto já excluídas crianças com espectro autista, déficit intelectual e outros atrasos de desenvolvimento. Ou seja: não é tão raro quanto parece.

É claro que cada criança é única e se desenvolve a sua maneira, mas alguns marcos de desenvolvimento específicos ajudam a identificar quando algo não está bem e são sinais de alerta. Algumas dicas sobre o que esperar na linguagem em cada faixa etária:

  • Aos 2 anos: começa a formar frases, repete palavras, começar a nomear cores. Tem um repertório de cerca de 200 palavras.
  • Aos 3 anos: se comunica com frases maiores e consegue ser entendido por pessoas com as quais não convive frequentemente.
  • Aos 4 anos: fala grandes sente as e conta histórias.
  • Aos 5 anos: fala com clareza grandes sentenças, usa tempo futuro

OUVIDO LIMPO

Algo que, muitas vezes, passa despercebido é que a audição deve ser avaliada em crianças com atrasos na fala/ linguagem. Isso porque quem não ouve bem, não fala bem e não aprende bem. E o ideal é avaliar a audição antes de iniciar qualquer tratamento.

Nesta fase as principais causas de redução de audição são excesso de cerume e otites. Em alguns casos perdas auditivas neurais podem ocorrer, por isso avaliação com otorrino é importante.

SONO EM DIA

E para ir bem na escola, dormir è fundamental! Crianças com sono agitado, roncos noturnos e respiração bucal terão mais dificuldade de aprendizagem. Nas crianças, o sono não reparador se manifesta por agitação, irritabilidade e alterações de humor.

Para manter um sono adequado é importante ter rotina e horários para dormir. Além de observar a qualidade deste sono. Fiquem atentos!

*DRA. MAURA NEVES é formada na Medicina pela Faculdade de Medicina da USP. Residência em Otorrinolaringologia pelo HC- FMUSP. Fellow em Cirurgia Endoscópica pelo HC- FMUSP. Doutorado pela Faculdade de Medicina da USP. Médica Assistente do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo -SP. Aqui na Revista AnaMaria, trará quinzenalmente um conteúdo novo sobre a saúde do ouvido, nariz e garganta. Instagram: @dra.mauraneves

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!