AnaMaria
Últimas Notícias / Carnaval 2022

Carnaval: venda de ingressos para desfile na Sapucaí segue presencial

Vendas online de ingressos para desfile na Sapucaí encerraram ontem

Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro Publicado em 11/04/2022, às 13h56

Sapucaí terá desfile desfile das escolas de samba do grupo especial - Fernando Frazão/Agência Brasil
Sapucaí terá desfile desfile das escolas de samba do grupo especial - Fernando Frazão/Agência Brasil

Ainda há ingressos disponíveis para assistir ao desfile das escolas de samba do grupo especial do Rio de Janeiro, que ocorrerão nos próximos dias 22 e 23 na Marquês de Sapucaí, região central da cidade. O carnaval deste ano foi adiado pela prefeitura por causa da pandemia de covid-19.

A venda online foi encerrada ontem (10) e quem adquiriu os ingressos deve fazer a retirada a partir de hoje (11) na Central de Atendimento e Vendas da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), na Rua da Alfândega, 25, lojas, A, B e C, durante o horário comercial.

Desde sexta-feira (8), os ingressos para as Arquibancadas Especiais e Cadeiras Individuais podem ser comprados presencialmente, com pagamento apenas em dinheiro, na Rua Salvador de Sá, atrás do Setor 11, no Sambódromo. O atendimento é de segunda a quinta-feira, das 10h às 16h. A cadeira individual custa R$ 230 a inteira e nas arquibancadas o valor varia de R$ 250 a R$ 500 a inteira.

Também estão disponíveis ingressos para o Desfile das Campeãs, no dia 30, com valores de R$ 160 a R$ 300 a inteira.

No dia 22 irão desfilar as escolas Imperatriz, Mangueira, Salgueiro, São Clemente, Viradouro e Beija Flor. No dia 23 passam pela Sapucaí a Paraíso do Tuiuti, Portela, Mocidade, Unidos da Tijuca, Grande Rio e Vila Isabel. No Desfile das Campeãs se reapresentam as seis melhores colocadas. Nos três dias os desfiles começam às 22h.

Será exigido o passaporte vacinal contra a covid-19, incluindo a dose de reforço, para entrar no Sambódromo. A exigência do passaporte vacinal no Rio de Janeiro só deve ser suspensa quando a cidade atingir 70% da população adulta com a dose de reforço. Atualmente, o percentual está em 61,3%.