AnaMaria

Crônica da Xênia: O nosso caminho foi traçado

Quem acha que podemos controlar nosso próprio destino não poderia estar mais enganado. Tudo já foi encaminhado...

Xênia Bier Publicado em 28/02/2017, às 14h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

Crônica da Xênia: O nosso caminho foi traçado - Shutterstock
Crônica da Xênia: O nosso caminho foi traçado - Shutterstock
Cara leitora, uma pergunta: você acredita em destino? Que nós já nascemos com o roteiro de nossas vidas escrito? Será que o nosso DNA tem alguma (ou muita) responsabilidade pelos acontecimentos pelos quais passamos no decorrer de toda a nossa existência? Teria o livre arbítrio a importância que lhe é dada? Teríamos realmente a possibilidade de escolher qual rumo tomar em determinadas ocasiões? 
Cada vez mais, cara leitora – ou melhor, quanto mais velha fico – mais aceito a possibilidade de que realmente nossos caminhos vêm marcados. Não me pergunte como, mas sei que o que está definido eu vou ter que viver! Posso até fugir, dar uma volta grande, mudar de país. Mas o pão que vou ter que comer, ninguém pode comer por mim. Você pode até por o pão na minha boca, mas eu é que tenho que mastigar e engolir. Assim é a vida, só minha. Assim é meu caminho, só meu. Assim como a minha impressão digital (que ninguém no mundo tem igual) é o meu destino e o seu também, cara leitora. 
E me parece que são três os registros cósmicos de nossas vidas: impressão digital, DNA e mapa astrológico. São as nossas características de identidade que determinarão, por toda a nossa vida, o nosso destino. Que é único para cada ser humano!