AnaMaria

“Ieda tem inveja de Emilly”

A participante mais velha do BBB 17, tratada como vovozinha pelos brothers, sofre ao ver os homens da casa bajularem a ninfeta

Crônica da Xênia Publicado em 28/03/2017, às 15h33 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

Dores de Ieda no presente - Globo/Paulo Belote
Dores de Ieda no presente - Globo/Paulo Belote

Não estou assistindo ao Big Brother. Estou só olhando, sem som. Ouvi um pouco aqui e ali para conhecer os participantes. Depois, só no olhar. Porém, acompanho a Ieda com atenção. Uma mulher enigmática. Deve ter sido uma jovem linda, de estraçalhar corações.

Hoje, porém, se ressente de não ser mais a última bolacha do pacote. Nãosei qual foi sua condição financeira. Ela passa uma certa classe, mas, às vezes, escorrega – plantando a dúvida de se tem berço ou se é só um esforço para o público. De uma coisa tenho certeza: a velhice lhe cai como uma maldição. E o pior é não ter mais os homens aos seus pés.

É difícil para uma mulher bonita envelhecer. Infelizmente, para os homens, é o visual que conta! Acompanhando o olhar dela, vejo a inveja que Ieda sente da juventude da Emilly.  

Sim, a menina é uma mala, um contêiner. Os homens do programa a cercam, bajulam, falam mal dela por despeito... Mas estão sempre em torno, coisa que acontecia em um passado distante com Ieda. Sinto, ela traz uma grande mágoa.

Sua participação me dá a impressão de que, mais do que ganhar o prêmio, ela quer sentir-se viva, nessa altura da vida que a gente só tem o passado. E que falta só um pouquinho para a viagem definitiva... Então, não dá pra sonhar com o futuro.

Veja, a Ieda ainda é bonita aos 70 anos. Apta a amar e ser amada. Mas os homens a enxergam como uma vovó tradicional. E é assim que os participantes do programa a veem. É uma pena...