AnaMaria

Leandro Hassum lamenta a morte do irmão caçula: ''Não é natural os pais enterrarem os filhos''

O artista usou as redes sociais para prestar uma pequena homenagem para Carlos

Da Redação Publicado em 21/08/2020, às 15h59 - Atualizado às 15h59

Leandro Hassum lamenta a morte do irmão caçula - Reprodução/Instagram
Leandro Hassum lamenta a morte do irmão caçula - Reprodução/Instagram

Leandro Hassum veio às redes sociais para dar uma notícia triste, nesta sexta-feira (21). Acontece que o ator usou a conta oficial do Instagram para informar sobre a morte do seu irmão, chamado Carlos. 

O humorista aproveitou para publicar um vídeo no perfil da rede social. Na gravação, Leandro apareceu vestido de palhaço, enquanto conversava com o próprio joelho. 

“Você já conversou com seu joelho? Já, né? Tenho certeza que já. Quem nunca,né? Às vezes pode parecer ruim e, até mesmo, solitário. Mas, é um momento em que você reflete com você mesmo, aqui ó, com o joelho”, começou. 

Logo em seguida, o artista falou sobre o motivo do joelho ser o melhor ouvinte. 

“Ninguém é mais seu amigo do que seu joelho às vezes. Aqui, com seu joelho, você chora, você grita, você desabafa, troca xingamentos, fala dos seus medos, por vezes, até ri, fica em silêncio. Sim, porque, falamos muito em silêncio. E, ele nos ouve. Ou melhor, nós ouvimos ele. Melhor do que muitas orelhas, nossos joelhos nos ouvem. Depois de muitos papos e lágrimas, os joelhos nos ajudam a levantar. Nos erguem e seguimos, até precisarmos de seus conselhos e do seu silêncio novamente”, declarou. 

Por meio da legenda do post, o famoso contou detalhes sobre a sua antiga relação com o irmão. 

“Hoje terei um longo papo com meu joelho. Meu irmão de sangue faleceu hoje. Não nos falávamos, pois os caminhos nos separaram. Mas, tivemos nossos momentos”, escreveu. 

Para finalizar, o ator lamentou a situação dos familiares: “E, pesa a dor de irmão mais novo, que sou. Pesa imaginar a dor que minha mãe e meus sobrinhos estão sentindo. Não é natural os pais enterrarem os filhos. Nossa, que ano, 2020. E, meu joelho que se prepare, pois, hoje temos muito o que conversar. Descanse em paz, Nano. Sim, é Nano mesmo. Era como lhe chamava na nossa infância. Minhas melhores memórias de nós dois serão as de quando você era o Nano e eu o Dinho”, concluiu.