AnaMaria
Dinheiro / Finanças

Confira dicas de como escolher a aplicação mais segura para investir

Veja dicas de especialistas para investir na aplicação mais segura

Da Redação Publicado em 25/01/2020, às 14h00

O melhor é diversificar os investimentos, de forma que eles estejam distribuídos entre aplicações de liquidez e risco variados - Banco de Imagem/Getty Images
O melhor é diversificar os investimentos, de forma que eles estejam distribuídos entre aplicações de liquidez e risco variados - Banco de Imagem/Getty Images

“Quero fazer uma aplicação, mas não sei por onde começar. Não sei se procuro um banco ou uma corretora e tenho dúvida sobre qual aplicação é a mais rentável e segura”, H. F., por e-mail.

Primeiro, defina qual a finalidade da aplicação e o quanto de risco está disposta a correr. De forma simplificada, o risco de uma aplicação corresponde à incerteza do retorno esperado. Aplicações com maior risco têm maiores retornos em caso de sucesso, assim como maiores chances de perda. 

As aplicações com menor risco apresentam mais certeza com relação à remuneração, mas rendimentos menores. Quando falo em definir a finalidade do investimento, significa que você precisa saber por quanto tempo pretende deixar o dinheiro aplicado e qual sua liquidez. 

Reservas com menor liquidez apresentam rendimento maior do que aquelas com maior liquidez. Para quem não tem reserva financeira, é bom constituir uma reserva para emergências (o valor equivalente a seis meses dos seus gastos mensais). 

Isso irá assegurar que você mantenha seu padrão de vida por esse período caso aconteça um imprevisto. Essa aplicação deve ter alta liquidez, permitindo que você faça o resgate a qualquer hora. 

Se você já possui uma reserva, pense em aplicações mais rentáveis e com menor liquidez, tendo em mente o objetivo daquele dinheiro. Por exemplo, se você quer poupar para a aposentadoria, procure uma aplicação com prazo de vencimento bastante longo. 

Já se sua meta é um sonho de consumo para o médio prazo, como comprar um imóvel daqui a cinco anos, precisará de uma aplicação que assegure que tenha o dinheiro disponível dentro desse tempo. 

O melhor é diversificar os investimentos, de forma que eles estejam distribuídos entre aplicações de liquidez e risco variados. Mas a parcela do montante total vai depender dos seus objetivos, estratégia e perfil de investidor.

MARCELA KAWAUTI aprendeu economia na graduação da Universidade de São Paulo e no mestrado da Fundação Getúlio Vargas, além de ter mais de dez anos de experiência. É economista-chefe do SPC Brasil e colaboradora do portal de Educação Financeira Meu Bolso Feliz.