AnaMaria
Famosos / Famosos

Gêmeas de Gugu Liberato se revoltam por ganharem menos dinheiro que a avó e revelam valor: ''Absurdo''

Segundo as herdeiras do apresentador, a mesada que ganham é muito inferior à de outros membros da família

Da Redação Publicado em 26/08/2021, às 11h32 - Atualizado às 11h32

Sofia e Marina Liberato - Reprodução/Metrópoles
Sofia e Marina Liberato - Reprodução/Metrópoles

Sofia e Marina Liberato, filhas de Gugu e Rose Miriam, desabafaram sobre a quantidade desproporcional de mesada que recebem. Em declarações publicadas pelo colunista Leo Dias, do jornal Metrópoles, as duas chegaram a acusar a tia, Aparecida Liberato, de omitir informações judiciais importantes. Uma delas seria o reconhecimento da união estável entre os pais.

Na gravação divulgada, as duas contaram que recebem U$ 500 dólares por mês, equivalente a R$ 2,6 mil. Uma das falas de Sofia que chamou atenção foi de ter não conseguido comprar o “carro dos sonhos” por uma proibição da tia. Ela queria um Porsche, mas ganhou outro que custava metade do preço.

“Nós descobrimos com nosso advogado agora que o João [irmão] ganha mais do que a gente por mês! E isso é injusto, nós ganhávamos 500 (dólares) cada uma por mês, e a gente já achou que ganhava pouco", comentaram.

Outro fato que as deixou tristes foi da avó, Maria do Céu, ter mesada de R$ 163 mil: "É um absurdo nossa avó ganhar 163 mil reais por mês e nós ganharmos só 500 dólares por mês sendo que nós somos as herdeiras”, disseram.

“Não dá para comer fora, comprar uma roupinha que precisamos, alguma coisinha nossa e não dava! E minha tia até falou que queria que a gente ganhasse só 150 dólares por mês. E eu pedi um aumento para ela de 2 mil dólares e ela falou que era um absurdo ganhar isso, sendo que não é nem perto do que ela mesma ganha e do que nós temos!”, completaram.

Mesmo com a tentativa de proibição de Aparecida, elas conseguiram aumentar o valor mensal recebido para mil dólares.

“A gente quer muito uma auditoria para ver o que realmente entrou e saiu de dinheiro”, concluíram.