AnaMaria

Na moda só com o essencial

Se você é daquelas que tem roupas e mais roupas pelo quarto, mas nunca tem o que vestir, conheça o armário-cápsula, uma prática simples que pode resolver este problema

Izabel Duva Rapoport Publicado em 17/09/2018, às 14h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

Na moda só com o essencial - iStock
Na moda só com o essencial - iStock

Ao contrário do que muita gente pensa, ter poucas roupas não quer dizer se vestir mal ou ficar sem opções. Prova disso é o armário-cápsula, um conceito criado pela estilista inglesa Susie Faux nos anos 70 (e que voltou com tudo nos dias de hoje) para defender uma ideia simples: ninguém precisa ter mais do que 30 ou 40 peças. “O objetivo não é nos convencer a não comprar roupa, mas nos fazer comprar com mais consciência”, afirma a coach de imagem Helen Pomposelli, que há 20 anos trabalha com moda nesta perspectiva comportamental. “Muitas pessoas compram por impulso e acabam acumulando peças no armário”, conta. O resultado disso é aquela sofrência na hora de se produzir e, o pior, ainda correr o risco de sair com um look que nada tem a ver com o seu estilo. “Quanto mais roupa você tem, mais possibilidades de você ser quem não é”, reflete. Confira as dicas da especialista e aprenda a montar o seu:

Exercite o desapego
Sabe aquela saia que você usava sem parar, mas não usa mais? ENTÃO, ELIMINE. Faça isso também com o sapato lindo que a machuca e com aquela blusa incrível que não combina com nenhum outro item. Comprou um brinco baratinho, mas lhe dá alergia? Esquece. O desapego pode doer, mas acredite: vai fazê-la ficar só com o que você gosta. “Aproveite para usar mais aquela peça que fica guardada para uma ocasião especial”, indica Helen.

Descubra o seu estilo
É natural: basta iniciar a prática de redução para você começar a se olhar diferente. “Isso faz você ficar mais autêntica. Quando
minimizamos as coisas, tudo fica mais claro pra gente”, afirma. SE VOCÊ NÃO SABE POR ONDE COMEÇAR, PENSE NO SEU DIA A DIA. Que peças  você mais gosta de usar no trabalho? E nos passeios e jantares? Estas respostas vão ajudá-la a descobrir o que não pode faltar.

Mude a forma de consumir
Sempre que ficar com vontade de comprar uma peça, vale se questionar. VOCÊ REALMENTE PRECISA DESSA ROUPA? O quanto ela significa para você? Procure lembrar-se dos itens que você mais usa e compre apenas se tiver certeza de que não tem nada similar. “Tudo bem comprar de vez em quando, faz parte do feminino. O problema é comprar por impulso e acumular.” Aliás, essa consciência vai muito além do guard-aroupa. O que adianta você ter um armário-cápsula, se você não para de comprar objetos para a casa ou alimentos que vão estragar na geladeira? “Ser minimalista não é moda. É estilo de vida”, afirma Helen.

Considere a qualidade
Por ter menos peças, é importante que todas elas tenham durabilidade e bom acabamento, além de lhe cair muito bem. Afinal, serão mais usadas e lavadas. A dica, aqui, é CUIDAR MUITO BEM DO QUE VOCÊ TEM.

Leve em conta o clima
O armário-cápsula, originalmente, é renovado a cada três meses. Ou seja, a cada nova estação climática. Mas ISSO NÃO É UMA
REGRA. Se onde você mora está sempre calor, você terá mais shorts e saias do que calças na sua seleção.

Pense nas cores
É claro que peças em tons neutros são mais fáceis de combinar entre si. Porém, fique tranquila se você ama estampa e cores mais
chamativas. A DICA É FILTRAR SUAS ESCOLHAS A PARTIR DE TRÊS ESCALAS: prioritária (cores que dão base ao guarda-roupa,
como branca, preta, cinza e bege), secundária (variações de uma das cores prioritárias, ou seja: se você escolheu bege como
prioritária, aposte em tons marrons e terrosos) e pontos de luz (cores escolhidas para iluminar o look).

Defina uma meta
Mais do que entrar na onda da moda consciente, A PROPOSTA É TAMBÉM ECONOMIZAR, TER PRATICIDADE E SE SENTIR  BEM. Para chegar a um número ideal de peças, pense em uma quantidade não tão baixa (que seja difícil criar combinações), e nem tão alta a ponto de não resolver o seu dilema nas escolhas. Em geral, o número de peças varia entre 30 e 40. “No fim, você vai perceber que nem é tão pouco assim”, diz Helen.

Respeite o seu tempo
Se está difícil abrir mão de algumas peças especiais que, por algum motivo, não são muito usadas, NÃO SOFRA. Depois de escolher o que vai entrar no armário-cápsula, coloque sua seleção mais à frente, deixando o que não entrou mais atrás. “Com o tempo, você vai tirando”, explica.

Para inspirar e começar...
1 boa calça jeans, 1 calça preta, 1 short jeans ou bermuda, 1 saia que combine com o seu corpo, 1 camisa branca, 1 camisa preta, 6 blusas em cores e estampas variadas, 1 cardigã, 1 vestido básico (de preferência preto, que possa ser produzido com todas as peças), 1 blazer, 1 jaqueta (a de couro dá charme a qualquer visual e nunca sai de moda), 1 casaco mais pesado, de 2 a 6 peças
curingas.