AnaMaria

Copa do Mundo: Polônia se recusa jogar contra a Rússia após ataques

Federação Polonesa anunciou que a seleção não pretende jogar a partida de classificação contra a Rússia após o país invadir a Ucrânia

Da Redação Publicado em 26/02/2022, às 15h26

Seleção polonesa se recusa a jogar contra Rússia após ataques à Ucrânia - Instagram/@teamrussia
Seleção polonesa se recusa a jogar contra Rússia após ataques à Ucrânia - Instagram/@teamrussia

A Federação Polonesa de futebol anunciou neste sábado (26), que se recusa a enfrentar a seleção da Rússia na repescagem por uma vaga na Copa do Mundo do Catar de 2022. A partida estava prevista para acontecer em 24 de março em Moscou, na própria Rússia.

A declaração foi feita pelo presidente da Federação Polonesa, Cezary Kulesza, através do Twitter. Ele informou que a Polônia "não pretende jogar a partida de classificação" contra o país que acabou de invadir a Ucrânia.

"Chega de falar, é hora de agir. Devido à escalada de agressão da Rússia na Ucrânia, a seleção polonesa não pretende jogar a partida de classificação contra a equipe russa", declarou Kulesza.

De acordo com o presidente da Federação Polonesa, "esta é a única decisão correta e que está em comunicação com as federações de futebol da Suécia e da República Tcheca para apresentar uma posição comum à FIFA".

O mundo esportivo se mobilizou após o ataque à Ucrânia, iniciado na última quinta-feira (24), e determinou algumas sanções enérgicas para Rússia, na tentativa do cessar fogo. São Petersburgo não irá sediar a final da Liga dos Campeões da Europa e Sochi não receberá mais o Grande Prêmio de Fórmula 1 em setembro.

O site da Fifa se pronunciou com o seguinte texto:

"A Fifa condena o uso da força pela Rússia na Ucrânia, bem como o uso de qualquer tipo de violência para resolver conflitos. A violência nunca é uma solução, então a Fifa pede a todas as partes que restaurem a paz por meio de um diálogo construtivo. O órgão deseja expressar sua profunda solidariedade a todos os afetados por este conflito".

"Em relação aos assuntos de futebol relacionados à Rússia e à Ucrânia, a Fifa continuará monitorando a situação e as atualizações relacionadas aos próximos jogos das eliminatórias da Copa do Mundo de 2022 serão comunicadas oportunamente", finalizou a nota.

Nas redes sociais, Robert Lewandowski, atacante do Bayern de Munique e principal jogador da seleção polonesa, apoiou a decisão e disse que “não imagina jogar contra a Rússia em uma situação de agressão armada”, declarou através das redes sociais.

“É a decisão certa! Não consigo imaginar jogar uma partida com a Seleção Russa em uma situação em que a agressão armada na Ucrânia continua. Os jogadores e torcedores russos não são responsáveis por isso, mas não podemos fingir que nada está acontecendo”, disse o atleta.