AnaMaria

Claudia Raia diz que correr faz 'tudo cair'; será que é verdade?

Correr faz o rosto ficar flácido? Descobrimos se a prática é prejudicial após os 40 anos

Juliana Ribeiro Publicado em 12/12/2019, às 08h20 - Atualizado às 13h58

Claudia Raia fez alguns comentários polêmicos sobre a corrida - Instagram/ @claudiaraia/ Getty Images
Claudia Raia fez alguns comentários polêmicos sobre a corrida - Instagram/ @claudiaraia/ Getty Images

Um vídeo em que Claudia Raia fala sobre os supostos malefícios da corrida para o corpo bombou na internet no último mês. Em seu discurso, disponibilizado no canal da própria atriz no IGTV do Instagram, ela faz alguns comentários polêmicos.

Garante, por exemplo, que correr não é nada maravilhoso porque “a cara cai”, supostamente por conta da alta movimentação da pele durante o exercício, que acabaria causando a flacidez da pele do rosto. Entre outras afirmações, a atriz diz ainda que a atividade aeróbica ‘come’ testosterona. 

“Atividade aeróbica come testosterona. E você, que já não tem muita testosterona  depois dos 40 anos, vai perdendo mais ainda. Exercícios aeróbicos, três vezes por semana. Não corra que a cara cai, tudo cai. Correr não é maravilhoso. Faz também uma escada, um transport, ou então caminha que você já está fazendo uma atividade cardíaca",  aconselha Claudia na gravação. .

Os comentários da atriz irritaram diversos adeptos da corrida de rua na internet, que começaram a compartilhar nas redes sociais o quanto o esporte causou mudanças positivas em suas vidas na tentativa de rebater tais afirmações.

Mas será que a atriz tem razão? Para sanar de vez essa e outras dúvidas, Ana Maria Digital conversou com especialistas no assunto para investigar a veracidade dessa história. 

A ‘CARA CAI’ COM A CORRIDA?

Não é bem assim. O dermatologista Caio Lamunier, do Hospital das Clínicas de São Paulo (HCFMUSP), explica que a flacidez tem muita relação com o envelhecimento e afinamento da pele, que muitas vezes está relacionado com outros danos e fatores associados (como hormônios e exposição ao sol), não sendo possível culpar uma atividade específica por esse envelhecimento.

"A corrida no ambiente externo expõe a pessoa a maior dano solar, mesmo que ela use protetor. Nós vemos atletas de alta performance com uma pele mais envelhecida, mais flácida por estresse oxidativo da atividade física. Mas isso não quer dizer que as pessoas não devam correr ou praticar atividade física, é justamente o contrário. O ideal é que a pessoa pratique atividade física de maneira moderada", explica. 

O preparador físico Márcio Atalla, que apresentava o quadro ‘Medida Certa’ no Fantástico da TV Globo, também discorda da afirmação da atriz. Segundo ele, a ‘cara cai’ por vários motivos, como o envelhecimento natural, excesso de sol, estresse e noites mal-dormidas. 

“Também porque diminuímos a produção do colágeno, proteína que nosso próprio corpo produz, mas, que como muitos outros mecanismos, entram em desaceleração com o avanço da idade, assim como a manutenção da massa muscular, entre outras funções", explica. Ou seja: não é culpa da corrida! 

PERDA DE TESTOSTERONA APÓS OS 40?

Alguns fatores como estresse e sedentarismo podem levar a uma queda da testosterona em mulheres FOTO: Getty Images

Antes de responder se a afirmação da atriz é válida, é importante explicarmos a função do testosterona no nosso corpo.

Apesar de ser conhecida como um dos principais hormônios presente no corpo dos homens, ela também está presente no organismo feminino, só que em menor quantidade. Na mulher, a testosterona é produzida nos ovários e nas glândulas suprarrenais, e tem como uma de suas funções auxiliar no processo de reprodução.

Este hormônio também é importante porque, entre outras coisas, aumenta a libido da mulher, a massa muscular, o emagrecimento e a disposição física. Com o passar do tempo, alguns fatores como estresse, sedentarismo e má alimentação podem levar a uma queda da testosterona em mulheres.

Dito isso, Atalla destaca que essa perda da testosterona não está associada à atividade física da corrida, muito pelo contrário. “Exercícios físicos moderados ajudam a melhorar a produção da testosterona, do colágeno, da massa magra. Tirando o botox e todas os procedimentos estéticos, a única coisa que pode nos rejuvenescer de alguma forma é a atividade física moderada e regular", afirma. 

O preparador físico ainda explica que, depois dos 40 anos, o corpo passa a trabalhar com produções menores de todos os hormônios e o corpo desacelera. Nosso metabolismo basal diminui, perdemos massa magra, colágeno, testosterona, entre outros.

“Nosso corpo vai diminuindo seu ritmo de um modo geral, esse é o processo do envelhecimento. E mais uma vez, a melhor forma de evitar, prevenir e até mesmo reverter esse novo quadro é combinando as atividades físicas de força e aeróbicas, com moderação e regularidade", completa. 

Na opinião do educador físico Antônio Lancha Jr., que é doutor em nutrição pela Universidade de São Paulo (USP), a atriz pode ficar tranquila e voltar para as pistas sem problema algum. Isso porque, segundo ele, a corrida promove como efeito crônico o aumento da testosterona e não uma redução. 

"Todos os hormônios, de uma forma geral, tem uma boa redução ao longo da corrida, mas eles sofrem um aumento cronicamente, ou seja: ao parar e voltar para o estado de repouso. Então, a atividade física é um grande aliado para preservar essa concentração de testosterona", afirma. 

Lancha Jr. ainda ressalta um dado relevante: o aumento da gordura corporal, de uma forma  geral, acaba se tornando um grande depósito para a testosterona. Tanto é verdade, segundo ele, que homens que possuem gordura visceral acentuada (nada mais, nada menos que a tal “barriga de chope”), têm uma redução nos níveis de testosterona, pois esse hormônio se deposita na gordura visceral. 

“Quando está na menopausa, a mulher também aumenta este tipo de gordura. Então, se quiser ter esses hormônios circulantes da melhor forma possível, o melhor é evitar o aumento dessa gordura justamente com a ajuda da atividade física aeróbia", explica.  

ALIMENTAÇÃO EM DIA

A alimentação saudável ajuda a minimizar o envelhecimento FOTO: Getty Images

Além das atividades físicas, comer de forma saudável também ganha destaque nesta fase. Para Lancha Jr., uma alimentação adequada pode fazer com que esse fenômeno de envelhecimento da pele seja minimizado. Ele ainda chama a atenção para a maneira correta de ingestão de proteína.  

"É preciso garantir uma distribuição da ingestão de proteína ao longo do dia. O que os artigos têm demonstrado, inclusive  nossos, é que se você fracionar sua ingestão de proteína ao longo do dia, você consegue preservar a sua massa muscular. A quantidade de proteína ficaria até 1,6 por quilograma de peso por dia e o ideal, neste caso, é procurar um nutricionista para que ele faça esse ajuste", sugere. 

Algumas dietas da moda sugerem cortar ou reduzir o consumo de carboidrato,  o que o especialista discorda e diz que é um” grande tiro no pé”. Isso porque, ao retirar o carboidrato da alimentação, as mulheres perdem motivação, energia e a capacidade de realizar esforço. 

"Perdem também massa muscular, porque esse carboidrato fica estocado dentro do tecido  muscular que confere a ele tônus. Assim, um cuidado muito grande é não fazer uma mudança na alimentação por conta própria sem a orientação de um profissional", completa. 

CUIDADOS COM A PELE DURANTE OS EXERCÍCIOS

Caio Lamunier explica que a pele da mulher de 40 anos, que ainda vai passar pela menopausa e que terá a queda do estrógeno, tem uma uma faixa de envelhecimento cutâneo muito rápida. Mas o que fazer para prevenir esses efeitos? O primeiro passo é diminuir a radiação ultravioleta. 

"Isso com certeza é um fator que faz muita diferença. Em corridas ao ar livre, por exemplo, o uso do protetor solar é super importante, só não pode ser uma medida isolada”, ressalta o dermatologista. Isso porque, quando a pessoa sua, diminui muito as fator de proteção do protetor. Assim, o ideal é correr em ambientes com sombra, além de evitar o horário entre 10h e 16h." 

O especialista também dá outra dica importante: se atentar ao tipo de roupa usada durante os exercícios. "Hoje temos uma tecnologia muito grande em roupas leves para corridas, com diversas opções, sendo possível encontrar peças que protejam do sol e que não atrapalhe na atividade física, do ponto de vista do incômodo com suor ou de passar calor", diz. 

E, AFINAL, QUAIS OS BENEFÍCIOS DA CORRIDA?

A corrida traz diversos benefícios para os praticantes FOTO: Getty Images

Márcio Atalla garante que, apesar de ser uma atividade que requer cuidado por conta do altíssimo impacto, traz muitos benefícios, como promover um grande gasto calórico, ajudar na queima de gordura abdominal, além de ser um excelente exercício para melhorar a condição cardiovascular.

E ainda tem uma outra grande vantagem: “Por ser tão disseminada e democrática, é ótima para fazer novos amigos", ressalta. E o crescimento no número de corredores de rua no Brasil só comprova isso.

Por fim, o personal trainer alerta: "No país mais sedentário da América Latina, que é a região mais sedentária do mundo, é um desserviço plantar esse medo, esse pânico contra atividades físicas, quaisquer que sejam, em prol da estética, desconsiderando a importância em se manter saudável e fisicamente ativo", conclui.