AnaMaria

Bebê chegando? Saiba como preparar o animal de estimação para o momento

Saiba como preparar o animal de estimação para a chegada do bebê

Da Redação Publicado em 28/09/2019, às 14h30

Outro fator importante é ensinar ao animal alguns limites de distância para evitar que o bebê se machuque com algum pulo ou uma passagem brusca do mesmo por ele - Banco de Imagem/Getty Images
Outro fator importante é ensinar ao animal alguns limites de distância para evitar que o bebê se machuque com algum pulo ou uma passagem brusca do mesmo por ele - Banco de Imagem/Getty Images

A chegada de um novo membro na família é sempre um momento especial! O quartinho normalmente está pronto e as roupinhas lavadas, porém podemos deixar passar um dos pontos mais importantes: os pets da casa. 

Sim, esse momento mágico pode se tornar uma dor de cabeça para os papais e mamães, já que, para o seu animalzinho, a presença do bebê pode ser sinônimo de várias perdas, como atenção, passeios, espaço etc. 

Isso tudo pode resultar em uma associação negativa com o recém-nascido e, a partir daí, começam os problemas de comportamento. Necessidades no lugar errado, destruições e até agressividade são alguns exemplos. 

Para evitar isso, a dica é começar o mais cedo possível. Ainda na gravidez, podemos associar alguns cheiros que serão usados pelo nenê no futuro a um petisco bem gostoso. 

Passe um pouco de pomada, loção ou lenço umedecido nas mãos para interagir com o pet através de comandos, carinhos ou brincadeiras. 

É possível ainda alimentar o animal em cima de alguma fralda de pano ou outro material que já tenha sido lavado com os mesmos produtos que foram utilizados nas roupinhas da criança. 

Além dos cheiros, alguns barulhos também já podem ser introduzidos, como chocalhos, brinquedos e músicas de ninar. Até mesmo o choro de bebê, por meio de áudios encontrados na internet, pode ser usado. 

Mas sempre da mesma forma: pareando o respectivo estímulo a algo prazeroso para o pet. Outro fator importante é ensinar ao animal alguns limites de distância para evitar que o bebê se machuque com algum pulo ou uma passagem brusca do mesmo por ele. 

Para os momentos em que o nenê precisará ficar no chão, o ideal é conduzir o bichinho até a sua caminha e dar a ele um ossinho ou brinquedo gostoso para interagir. Aumentar o gasto de energia é uma boa estratégia também. 

Faça isso através de passeios e adestramento. Se precisar de ajuda, recorra a um profissional especializado em método de reforço positivo. 

MARCELA BARBIERI BORO, zootecnista, médica veterinária, adestradora e franqueada da Cão Cidadão.