AnaMaria

Ministério da Justiça aponta drogas e obscenidade em relatório do ‘Big Brother Brasil 20’

Documento feito pelo órgão foi para verificar necessidade de aumento da classificação indicativa

Da Redação Publicado em 16/08/2020, às 12h58

Rafa, Manu e Thelma na final do 'BBB20' - Globo
Rafa, Manu e Thelma na final do 'BBB20' - Globo

O ‘Big Brother Brasil 20’ chegou ao fim há mais de quatro meses, mas ainda assim virou alvo do Ministério da Justiça. Segundo o colunista Leo Dias, do jornal Metrópoles, há um documento no qual o MJ aponta apelo sexual, drogas lícitas, linguagem chula e obscenidade dentro do reality.

Dentre os problemas listados estão a exibição de Babu Santana fumando “cigarro de nicotina” inúmeras vezes, “goles a drinques alcoólicos” feitos durante as festas do programa, e até uma cena em que algumas participantes tomam banho juntas.

De acordo com o MJSP, a sequência em questão é considerada um apelo sexual. No documento, é descrito como: “algumas participantes se reúnem na hora do banho e entram no chuveiro juntas e começam a passar sabão umas nas outras de forma provocante", e quando "em frente ao espelho, algumas garotas da casa dançam de forma sensual, rebolando e indo até o chão”.

Outro episódio citado foi quando Lucas Gallina colocou em prática o polêmico plano dos homens contra as mulheres, e disse que “só não comeu [Mari Gonzalez] porque não estava com fome”. Pelo analista técnico do órgão, a frase foi considerada “extremamente machista”.

Por último, há a ocasião em que Thelma Assis discute com Gallina sobre as estalecas e o chama de “escroto”, e ainda a briga entre Rafa Kalimann e Bianca Andrade, na qual a maquiadora manda Rafa “se f****”.

Em nota ao colunista, o MJSP explicou que o documento é algo comum feito pela equipe, e concluíram que não é preciso aumentar a classificação indicativa do ‘BBB’, que atualmente é contraindicado para menores de 12 anos.