AnaMaria
BBB 22

'BBB22': Rodrigo pergunta sobre expressões ofensivas para Linn da Quebrada

Rodrigo abordou Linn da Quebrada para questionar se a expressão "cego em tiroteio" poderia ser ofensiva

Da Redação Publicado em 01/02/2022, às 22h10

Reprodução/Tv Globo
Reprodução/Tv Globo

Rodrigo passou a tarde tirando fotos na área externa com Linn da Quebrada, Natália e Jessilane, nesta terça-feira (1º), quando decidiu perguntar para a cantora se a expressão "cego em tiroteio" poderia ser ofensiva. 

O rapaz se sentiu motivado a questionar Lina pois tem usado o termo com frequência. "Linn, posso te fazer uma pergunta?", começou.

"Outra pergunta?", brincou a cantora, que já foi abordada em outras ocasiões para falar sobre minorias sociais dentro da casa.

"É do nosso dia a dia falarmos 'cego em tiroteio'. Isso pode ser ofensivo de alguma forma?", disse ele, indo direto ao ponto.

Lina foi pragmática, e disse que a melhor opção seria o rapaz perguntar para uma pessoa cega.

"Talvez possa ser, sim. Eu não tenho certeza. Talvez uma pessoa cega seria a melhor pessoa para te responder isso. Tem várias expressões que sem querer acabam sendo ofensivas. Olho gordo, por exemplo, eu acho ofensivo", disse a artista.

Naiara Azevedo, que havia chegado há pouco tempo, perguntou o motivo, e a atriz disse que a expressão teria relação com "ser gordo", incitando a gordofobia.

BOA VISÃO DE JOGO

Na sequência, Rodrigo aproveitou para questionar Linn sobre outra expressão. "E se eu falar 'to cego?' No sentido de 'não estou vendo o jogo?”, disse.

"É mais fácil falar que não tá vendo o jogo, que não tá tendo uma boa visão de jogo", respondeu Lina.

A cantora sertaneja frisou que em conversas corriqueiras, deslizes podem acabar acontecendo, mas aconselhou o brother a guardar a orientação caso fosse corrigido.

"Essas coisas acontecem, mas nós também podemos nos atentar quanto a essas expressões, se isso já passou pela sua cabeça", completou a atriz.

O gerente comercial afirmou que prefere pesquisar para que "gafes" não aconteçam, mas que se sente melhor instruído quando conversa com pessoas a respeito.

"A diferença de procurar orientação na internet, ler e voltar para a vida normal... Parece que eu demoro para aprender. Uma coisa é quando você gosta de alguém e uma pessoa te orienta. Isso é diferente", finalizou.